A Boa Sorte

De Protopia
Ir para: navegação, pesquisa


A Via de Chuang Tzu

Mestre Ki teve oito filhos. Um dia, chamou um fisiognomonista, Enfileirou os garotos, e disse: «Estude seus rostos. Diga-me qual deles é o afortunado». Depois do exame, o especialista disse-lhe: «Kwan é o afortunado». Ki ficou contente e surpreso. «De que modo?», perguntou. O fisiognomonista respondeu-lhe: «Kwan comerá carne e beberá vinho Até o fim dos seus dias, Às expensas do governo». Ki interrompeu-o, em prantos: «Meu pobre filho! Meu pobre filho! O que fez para merecer esta infelicidade?» «Como?», exclamou o fisiognomonista, «Quando alguém compartilha As refeições de um príncipe As bênçãos caem Sobre toda a sua família, Principalmente o pai e a mãe! Você irá recusar A boa sorte?» Ki respondeu: «O que torna A sorte 'boa'?» A carne e o vinho são para a boca e o ventre. A boa sorte está só na boca. E no ventre? Estas «refeições do príncipe» — Como as compartilharemos? «Não sou pastor E, de repente, um cordeiro nasce em minha casa. Não sou nenhum guarda-florestal E as codornas nascem em meu quintal. Estes são terríveis presságios! «Não tenho tido nenhum desejo Nem para mim, nem para meus filhos, A não ser vaguear livremente Através da terra e do céu. «Não procuro qualquer alegria Nem para eles, nem para mim, Apenas a alegria dos céus, Os simples frutos da terra. «Não busco vantagens para mim, não faço planos, Não empreendo nenhum negócio. Apenas busco o Tao, com os meus filhos.

«Não briguei com a vida! Agora surgiu esta promessa melindrosa De que jamais busquei: 'A boa sorte!' «Todo efeito estranho provém de uma causa estranha. Meus filhos e eu nada fizemos para merecer isto. É um castigo imperscrutável. Portanto tenho de chorar!» E então aconteceu que, algum tempo depois, Ki enviou seu filho em viagem. O jovem foi assaltado por bandidos que resolveram vendê-lo como escravo.


Achando que não podiam vendê-lo como estava, amputaram seus pés. Assim, incapaz de fugir, tornou-se um bom negócio. Venderam-no ao governo de Chi, e ele foi empregado como cobrador de pedágio, na estrada. Tinha carne e vinho, durante o resto de sua vida, à custa do governo. Desta maneira aconteceu que Kwan se tornasse o afortunado!